Pelada com cabeça de Bolsonaro rende ameaças de morte a coletivo | Noticias Tudo Aqui!

Pelada com cabeça de Bolsonaro rende ameaças de morte a coletivo

Compartilhe:

A peça vem ganhando repercussão nas redes sociais

 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um adolescente assiste a vídeos do presidente Jair Bolsonaro sentado numa escadaria estampada com um grafite da vereadora assassinada Marielle Franco. Em seguida, o jovem guarda o celular no bolso e sai andando de skate pelas ruas de São Paulo. Ele então chega a um cemitério e retira de um túmulo a cabeça de Bolsonaro enrolada em um saco de lixo, que é usada como bola de uma partida de futebol numa quadra de bairro.

A pelada com a cabeça do presidente é o mais novo capítulo do projeto "Freedom Kick", ou chute da liberdade, uma ação do coletivo americano de arte de rua Indecline com o artista plástico espanhol Eugenio Merino. A iniciativa promove partidas de futebol amador em que as bolas são réplicas de silicone de cabeças de líderes que o gupo define como populistas -além do brasileiro, já entraram em campo o russo Vladimir Putin e o americano Donald Trump.

Segundo um representante anônimo do Indecline -o coletivo não revela a identidade de seus integrantes-, o futebol tem peso maior do que a religião, globalmente, mesmo fora da época da Copa do Mundo. Além disso, é uma forma de reunir as pessoas, muito importante para famílias inteiras na Europa e nas Américas Central e do Sul. Por isso o esporte foi escolhido para criticar líderes que o grupo considera ousados e descarados, acrescenta.

A pelada em São Paulo aconteceu no bairro do Bom Retiro com operários e pessoas que discordam do atual governo, mas não necessariamente jogadores de futebol, afirma a fonte anônima. No final da partida, um dos membros do time entregou a cabeça de Bolsonaro para um cachorro labrador, que se refestelou com seu novo brinquedo antes de posar para uma foto com toda a equipe.

As cabeças foram criadas com silicone, material que possibilita simular a pele humana com feições bastante realistas, afirma Merino, o artista responsável pela produção das peças. "O silicone não engrandece o personagem; o bronze converte o personagem em algo que se tem que respeitar", diz. O bronze é com frequência empregado na produção de monumentos e estátuas. Foram necessários dois meses para a feitura da cabeça de Bolsonaro, que pesa cerca de dois quilos.

Depois da divulgação do vídeo brasileiro no Instagram do coletivo, seus integrantes passaram a receber ameaças de morte, uma resposta que já era esperada, dado o histórico de ações controversas do grupo, segundo o membro em questão. Formado em 2001 por grafiteiros, fotógrafos e ativistas, o Indecline é conhecido por realizar projetos com o objetivo chocar a opinião pública, como quando instalou um boneco de Trump atrás das grades dentro de uma suíte luxuosa da Trump Tower, em Nova York.

Há 143 mil comentários no post do vídeo da pelada no Instagram do Indecline -muitos afirmam que o coletivo desrespeitou Bolsonaro e ameaçam seus integrantes de prisão. "Ele [Bolsonaro] se ofende com homossexualidade, feminismo e socialismo, mas fica excitado com toda fantasia de violência contra seus oponentes políticos. Mas os oponentes não são tão rígidos e trazem alegria e movimento à sua resistência, que fez de brasileiros como Pelé um ícone em todo o mundo", escreve o coletivo na postagem.

Também foi gravada uma partida com um réplica da cabeça de Putin no gramado em frente ao Congresso americano, em Washington, e outra com a cabeça de Trump na fronteira do México com os Estados Unidos -esta, jogada por mexicanos junto à grade que separa Tijuana de San Diego. Viktor Orbán, premiê da Hungria, e Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, devem ser os próximos.

As cabeças destruídas pelos chutes serão exibidas em galerias de arte da Holanda e da Espanha, ainda neste ano, junto com vídeos e fotos das partidas. A ideia é também promover uma partida em que os visitantes das mostras joguem com as cabeças dos presidentes. Não há uma data nem um local de exibição definidos para o Brasil, tanto pela logística do transporte de obras durante a pandemia quanto pela segurança dos envolvidos, diz o porta-voz do Indecline.


 Comentários
Noticias da Semana
Dicas para te ajudar
TV Tudo Aqui