BLOCO ENFRAQUECIDO - Argentina se opõe ao Brasil e defende acordos bilaterais no Mercosul | Notícias Tudo Aqui!

BLOCO ENFRAQUECIDO - Argentina se opõe ao Brasil e defende acordos bilaterais no Mercosul

Compartilhe:

A chanceler argentina Diana Mondino pede por mais “flexibilidade” e por negociações comerciais individuais fora do bloco econômico

 

A ministra das Relações Exteriores da Argentina, Diana Mondino, defendeu no domingo (7.jul.2024) a negociação de acordos bilaterais por integrantes do Mercosul (Mercado Comum do Sul). A declaração se opõe ao entendimento do governo brasileiro, de que o bloco deve firmar tratados comerciais de forma coletiva.

Segundo Mondino, os países do Mercosul devem ter “flexibilidade” de fechar acordos de livre comércio isoladamente, em casos de conveniência para a nação. O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou (Partido Nacional, de centro-direita) também é crítico do protecionismo do bloco.

“Pensemos na possibilidade de acordos bilaterais. É muito difícil que todos estejam de acordo em todos os temas. Eventualmente pode haver um caso em que um acordo comercial bilateral seja conveniente”, disse Mondino.

A ministra também defendeu a revisão gerencial do funcionamento do Mercosul. Criado em 1991, o bloco é formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela (suspensa do bloco desde 2016) e Bolívia –oficializada na cúpula que começou em Assunção (Paraguai) nesta 2ª feira (8.jul).

São iniciativas positivas para que possamos trabalhar melhor, não eliminar nem matar nada”, disse Mondino.

REUNIÃO MERCOSUL 2024

A 64ª Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados é realizada em Assunção, no Paraguai. No encontro, foi feita a troca do comando temporário de 6 meses do grupo: indo do país sede da reunião para o Uruguai.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou nesta 2ª feira (8.jul) do último dia da reunião do bloco econômico. Em seu discurso, o petista criticou a tentativa de golpe na Bolívia, culpou a Europa pelo fracasso de acordo com bloco e citou avanços com a China.

A reação unânime ao 26 de junho na Bolívia e ao 8 de janeiro no Brasil demonstram que não há atalhos à democracia em nossa região. Mas é preciso permanecer vigilante. Falsos democratas tentam solapar as instituições e colocá-las a serviço de interesses reacionários. Enquanto nossa região seguir entre as mais desiguais do mundo, a estabilidade política permanecerá ameaçada”, disse.

Sobre as divergências dentro do bloco, Lula disse que o grupo é “resiliente e tem sobrevivido aos difíceis anos de desintegração”.

Pensar igual nunca foi critério para engajamento construtivo nas tarefas do bloco”, declarou o presidente brasileiro.

(Poder360)


 Comentários
Dicas para te ajudar
TV Tudo Aqui