SEGREDO REVELADO - Arqueólogos descobrem cidade submersa de 3.400 anos no Iraque após seca extrema | Notícias Tudo Aqui!

SEGREDO REVELADO - Arqueólogos descobrem cidade submersa de 3.400 anos no Iraque após seca extrema

Compartilhe:

 

Uma cidade extensa de 3.400 anos surgiu no Iraque depois que o nível de água de um reservatório caiu rapidamente devido à seca extrema.

Arqueólogos curdos e alemães escavaram o assentamento no reservatório de Mosul, ao longo do rio Tigre, na região do Curdistão, no norte do Iraque, em janeiro e fevereiro.

O projeto foi feito em parceria com a Direção de Antiguidades e Patrimônio de Duhok para preservar o patrimônio cultural da região para as gerações futuras.

Acredita-se que o sítio arqueológico, Kemune, seja a cidade da Idade do Bronze de Zakhiku, um importante centro do Império Mittani que reinou de 1.550 a 1.350 a.C.

O território do reino se estendia do Mar Mediterrâneo ao norte do Iraque, de acordo com Ivana Puljiz, professora júnior do departamento de arqueologia e assiriologia do Oriente Próximo da Universidade de Freiburg em Breisgau, Alemanha, e uma das diretoras do projeto.

Uma corrida contra o tempo

Zakhiku ficou submerso depois que o governo iraquiano construiu a represa de Mosul na década de 1980 e raramente viu a luz do dia desde então.

Depois que Puljiz soube que a cidade havia ressurgido, sua equipe correu para escavar o local porque não se sabia quando os níveis de água subiriam novamente.

“Devido à enorme pressão do tempo, cavamos em temperaturas congelantes, neve, granizo, chuva, até tempestades, bem como um dia ensolarado ocasional, sem saber quando a água subiria novamente e quanto tempo teríamos”, disse Puljiz.

A cidade antiga está agora submersa, mas os pesquisadores conseguiram catalogar grande parte do local.

Um palácio já havia sido documentado quando a cidade emergiu brevemente em 2018, mas várias estruturas adicionais foram documentadas durante a última escavação. Algumas das descobertas incluem uma fortificação completa com torres e paredes e um edifício de armazenamento de vários andares.

Muitas das estruturas eram feitas de tijolos de barro secos ao sol, que normalmente não resistiriam bem debaixo d’água, disseram os pesquisadores. No entanto, Zakhiku sofreu um terremoto por volta de 1.350 a.C, e partes das paredes superiores desmoronaram e cobriram os edifícios.

Preservando o passado

Pouco se sabe sobre o antigo povo Mittani que construiu a cidade, em grande parte devido ao fato de que os pesquisadores não identificaram a capital do império ou descobriram seus arquivos, disse Puljiz. No entanto, certos artefatos desenterrados durante a última escavação podem ajudar a fornecer informações.

Arqueólogos encontraram cinco vasos de cerâmica contendo mais de 100 tabuletas cuneiformes de argila, que datam de perto após o evento do terremoto. Acredita-se que sejam do período assírio médio, que durou de 1.350 a 1.100 a.C, e podem abrir caminho para pesquisas sobre o desaparecimento da cidade e a ascensão do domínio assírio na área, de acordo com um comunicado de imprensa.

“É quase um milagre que tabuletas cuneiformes (escritas) feitas de argila crua tenham sobrevivido tantas décadas debaixo d’água”, disse Peter Pfälzner, professor de arqueologia do Oriente Próximo da Universidade de Tübingen e um dos diretores da escavação, em um comunicado.

As tabuinhas ainda não foram decifradas, mas Puljiz supôs que pertenciam a um arquivo privado.

“Estou curiosa para ver o que o estudo dos textos cuneiformes revelará sobre o destino da cidade e de seus habitantes após o terremoto devastador”, disse ela.

Todos os artefatos que foram escavados, incluindo as tábuas, estão alojados no Museu Nacional de Duhok.

Antes que a cidade mais uma vez desaparecesse debaixo d’água, os pesquisadores cobriram as ruínas em folhas de plástico apertadas presas com pedras e cascalho. Puljiz espera que essas medidas protejam o antigo local da erosão hídrica e impeçam que ele desapareça completamente.

(CNN)


 Comentários
Noticias da Semana
Dicas para te ajudar
TV Tudo Aqui